Outros apoios

Oferecemos apoio desvinculado das Chamadas Públicas a determinados projetos de pesquisa e de divulgação científica que consideramos relevantes e que representem os valores do Serrapilheira.

Confira pesquisadores e projetos apoiados para:

pesquisa científica   |   divulgação científica

pesquisa científica

A ciência brasileira cresceu expressivamente em termos de volume de produção científica nas últimas duas décadas. Diante das evidências empíricas de que boa parte da literatura científica na área biomédica não é reprodutível, não se pode equacionar o aumento no número de artigos com uma evolução da ciência nacional. Enquanto não respondermos a questão básica do quão reprodutíveis são os resultados publicados nestes artigos – algo sobre o qual que nem a comunidade científica, nem as agências de fomento possuem dados empíricos – não poderemos avaliar de fato as políticas de ciência e tecnologia do país. É para preencher essa lacuna que a Iniciativa Brasileira de Reprodutibilidade, criada pelo médico e professor da UFRJ Olavo Amaral, se propõe a replicar uma amostra sistemática de experimentos da ciência brasileira de forma multicêntrica.

www.reprodutibilidade.bio.br

Universidade Federal do Rio de Janeiro

Recursos alocados:

2018: R$ 145.200,00
2019: R$ 1 milhão

Notícias:

Projeto vai estimar a reprodutibilidade da ciência brasileira

Laboratórios de 18 estados se cadastram para experimento inédito no Brasil

As origens da forma biológica em Neurociência

Física e Neurociência são disciplinas com métodos, histórias e culturas acadêmicas muito diferentes, mas que cada vez mais entram em contato.  Graças a avanços experimentais e computacionais, pela primeira vez dados quantitativos precisos e detalhados sobre a estrutura e desenvolvimento do cérebro estão ficando amplamente disponíveis. O objetivo é fazer uso destes dados, métodos e intuições desenvolvidos pela Física para descobrir alguns dos princípios fundamentais de uma Neurociência teórica. Mais do que descrever o cérebro em detalhes, a intenção é desenvolver modelos que expliquem a sua morfologia e desenvolvimento a partir de princípios fundamentais simples, que produzam previsões quantitativas testáveis e expliquem estruturas biológicas não só para casos específicos, mas em toda sua diversidade. Buscamos, assim, descobrir regularidades ocultas que se escondem por trás de uma enorme variedade de formas e tamanhos, e começar a responder perguntas como: quais são as regras universais que regem a forma do cérebro? Como processos relativamente simples de proliferação e migração de neurônios podem formar de maneira robusta o córtex cerebral mamífero?

Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/4356558822177287

Blog: http://ml42.blogspot.com/

Recursos alocados: R$ 100.000,00

Bruno Mota

VulnerAmazon: Um novo olhar para a vulnerabilidade e a resiliência da floresta Amazônica

A floresta Amazônica tem uma das maiores coleções de plantas, animais e microrganismos do planeta. Esta biodiversidade fornece diversos serviços para a humanidade, tais como a estabilização da capacidade de estocar carbono, transportar chuva em escalas continentais e prover alimentos às comunidades locais. A habilidade da floresta Amazônica de preservar sua forma e identidade, tanto espacial quanto temporalmente, é o que se define como resiliência. Neste projeto de pesquisa, propõe-se explorar como diferenças espaciais em fatores naturais e antrópicos podem atuar em potenciais reconfigurações da floresta Amazônica, interrompendo processos ecológicos e minando a capacidade das florestas de funcionar. Dependendo de como cada um dos tipos florestais vai responder às ameaças, o colapso da Amazônia pode ser acelerado ou não. Por meio desse estudo, espera-se gerar informação que permitirá às sociedades futuramente manejar a resiliência sistêmica da Amazônia, com a manutenção de sua forma e identidade.

Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/1481877400053985

Recursos alocados: R$ 100.000,00

Notícias: 

“A Amazônia não é toda igual”, destaca nova grantee do Serrapilheira

Marina Hirota

Redes quânticas não confiáveis

Não-localidade e causalidade na mecânica quântica, assim como simuladores quânticos, estão entre os temas de pesquisa mais ativos da Física. Os três podem ser classificados dentro da categoria geral de redes quânticas complexas. Na prática, tais redes possuem componentes não confiáveis (sem controle quântico total, com ruído). O objetivo do projeto é desenvolver um formalismo unificado para redes quânticas não confiáveis como recurso para processamento de informação. Dentro desse paradigma, nossos esforços serão focados em três linhas concretas: i) formas superiores de não-localidade quântica (mais fortes do que a forma usual do teorema de Bell); ii) superposições quânticas de ordens causais como recurso operacional para informação quântica; e iii) certificação de simuladores quânticos de muitos corpos não confiáveis. O projeto é de natureza teórica, mas com relevância experimental. Ele vai explorar as fronteiras da física teórica com base nas mais avançadas tecnologias quânticas.

Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/9937773858637756

Recursos alocados: R$ 100.000,00

Mario Leandro Aolita

Uma abordagem causal para a informação quântica (CausalQI)

Este projeto se insere na interface entre duas áreas de pesquisa atuais e interdisciplinares. De um lado, temos a informação quântica, que faz uso de sistemas quânticos, tais como fótons e supercondutores, para o processamento de informação de forma mais eficiente e segura. Do outro lado, temos a jovem teoria da causalidade, que busca entender como extrair relações causais a partir de dados empíricos. Dentro deste contexto, o objetivo principal é o de desenvolver os conceitos e ferramentas necessários para se compreender a causalidade na mecânica quântica e, assim, entender mais profundamente sua incompatibilidade com a noção intuitiva que temos de causa e efeito. Esta nova maneira de pensar nos permitirá explorar novos regimes no processamento de informação – em particular, aqueles que fazem uso de padrões complexos de interações causais.

Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/1509277905143351

Página do grupo: http://www.iip.ufrn.br/qiqm/

Twitter do grupo: https://twitter.com/qiqm_iip

Recursos alocados: R$ 100.000,00

Notícias: O futuro é quântico

Rafael Chaves

Hidrogênio molecular a partir do tratamento de efluentes: um atalho para um futuro sustentável.

Há décadas o hidrogênio molecular (H2) tem sido considerado o “combustível do futuro”. Esse título se deve a vários fatores, entre eles a elevada densidade de energia por massa de H2 – cerca de 30 vezes maior que o TNT – e o fato de que água é o único produto da utilização de H2 como combustível. No entanto, sua produção em larga escala é um desafio por conta do custo final. Além disso, o H2 é o principal insumo para a produção de fertilizantes nitrogenados no mundo, o que constitui uma importante barreira para o aumento da produção agrícola mundial. Nosso objetivo é solucionar o desafio de produzir H2 de forma viável. Buscamos utilizar como precursores os compostos orgânicos existentes em efluentes industriais, esgoto e lagos e rios contaminados. Para tal, queremos criar uma nova rota química que permita a produção de H2 a partir de matéria orgânica contaminante que seja mais eficiente que os métodos atuais. Além de produzir H2 de forma viável, teríamos a descontaminação de corpos d’água como prêmio adicional do processo.

Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/8208709281906563

Website: http://nanouem.weebly.com

Recursos alocados: R$ 100.000,00

Notícias:

Pesquisador do Paraná avança na busca por fontes de energia mais limpas

Rafael Silva

Origem e evolução geoquímica, geocronológica e isotópica de fragmentos continentais e oceânicos do manto superior brasileiro

Este estudo almeja fornecer informações valiosas e inéditas sobre a natureza e a evolução geoquímica do manto superior de diferentes ambientes tectônicos no Brasil. Para isso, propõe-se a determinação de dados de química mineral, estimativas de pressão e temperatura, geoquímica isotópica e idades. A pesquisa é desenvolvida a partir de três regiões de interesse onde foram coletados fragmentos intrínsecos do manto superior, os xenólitos mantélicos. São elas: a ilha vulcânica de Fernando de Noronha, em Pernambuco (litosfera oceânica), a intrusão kimberlítica Carolina, em Rondônia (litosfera continental cratônica), e a intrusão kimberlítica Canastra-1, em Minas Gerais (litosfera continental em uma faixa móvel). Assim, queremos esclarecer se essas regiões registram a contribuição de anomalias térmicas, possivelmente associadas à fragmentação de supercontinentes e à abertura do Oceano Atlântico Sul. Além disso, espera-se elucidar se zonas de subducção (áreas de convergência de placas tectônicas) antigas contribuíram com a heterogeneidade litológica e química do manto destes locais.

Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/7557399476580843

Recursos alocados: R$ 100.000,00

Tiago Jalowitski

divulgação científica

Ciclo de Palestras Públicas

Organização: IMPA

Recursos alocados: R$100.000,00

O Serrapilheira e o IMPA promoveram um ciclo de seis palestras públicas com grandes divulgadores da matemática e da ciência em geral. As cinco primeiras aconteceram no Congresso Internacional de Matemáticos (ICM 2018), o evento mais importante do mundo na área, em agosto de 2018, no Rio de Janeiro, e foram proferidas por Étienne Ghys, Ingrid Daubechies, Cédric Villani, Tadashi Tokieda e Rogério Martins. Transmitidas ao vivo pelo YouTube do ICM, as apresentações tiveram público total de 5790 espectadores, entre alunos do ensino médio de escolas públicas do Rio de Janeiro, participantes do congresso e jornalistas. A sexta palestra foi da física Marcia Barbosa e aconteceu em outubro, no IMPA.

Notícias:

Beleza e mistérios em um floco de neve

A arte da matemática

Cédric Villani: “Até mesmo os melhores cientistas do mundo podem estar errados”

A matemática em uma xícara de chá

A filosofia do mundo tridimensional

Peculiaridades da água fascinam estudantes em palestra 

Conferência e Workshops

Organização: Escola de Dados

Recursos alocados: R$8.778,00

Site: https://coda.escoladedados.org/

O evento, realizado em parceria com a Google News Initiative, é o primeiro do Brasil focado em jornalismo de dados. O Serrapilheira apoiou a sua terceira edição, em novembro, que reuniu alguns dos melhores profissionais do mercado para trocar ensinamentos e experiências sobre a área.

Notícias:

Coda.Br abordará visualização de dados e criptografia

Organização: Edvonete Souza de Alencar

Recursos alocados: R$100.000,00

Site: https://www.teiamat.com.br/

O objetivo do projeto é analisar como a criação de histórias de literatura Infantil (e-book animados e livros convencionais) para o desenvolvimento de conceitos matemáticos influenciam práticas e/ou conhecimentos profissionais de um grupo de professores da Educação Infantil e dos anos iniciais do Ensino Fundamental. O trabalho envolve reuniões semanais com professores que estudam a literatura Infantil para o ensino de Matemática. O projeto promove, ainda, a acessibilidade para portadores de necessidades especiais e o acesso a diferentes idiomas.

Workshops de Física para Professores do Ensino Médio

Organizações: ICTP-SAIFR e Perimeter Institute

Recursos alocados: R$108.800,00

Site: http://www.ictp-saifr.org/include-lousa.php

O Serrapilheira apoia o programa de divulgação científica do Instituto de Física Teórica da Unesp em parceria com o Perimeter Institute, que forma professores de Física de Ensino Médio. A iniciativa tem a meta de treinar 250 professores de Física para ensinar o método científico de forma criativa, usando como temas a física teórica de ponta e recursos educacionais do Perimeter Institute. O workshop aconteceu em setembro, em São Paulo, e também incluiu uma versão em português realizada em novembro.

Notícias:

Professores de todo o Brasil aprendem Física criativa

Curso torna buracos negros e matéria escura assuntos de escola

Criatividade é peça-chave em sala de aula, diz consultor de educação do Perimeter

Em nova edição, curso treina professores de Ensino Médio para a Física criativa

Evento

Organização: WM2

Recursos alocados: R$94.000,00

Site: https://www.worldwomeninmaths.org/

Iniciativa do Comitê para Mulheres em Matemática da União Matemática Internacional, o (WM)² antecedeu o Congresso Internacional de Matemáticos (ICM 2018) e promoveu a troca de experiências entre cientistas internacionais, unidas pelo interesse acadêmico e pelos desafios relacionados à condição feminina. Foram apresentados estudos e dados sobre o impacto da disparidade de gênero nos campos abrangidos pela disciplina.

Notícias:

Rio sedia primeiro Encontro Mundial para Mulheres em Matemática

‘Mulheres são tão boas quanto homens em matemática’

Documentário expõe dificuldades enfrentadas por mulheres matemáticas

Mini-documentários

Organização: Gênero e Número

Recursos alocados: R$20.360,00

Site: http://www.generonumero.media/doc-gn-fator-f/

FATOR F

Mesmo sendo hoje maioria no mestrado e doutorado, as pesquisadoras mulheres levam mais tempo para conquistar espaços de liderança e chegar ao topo da carreira. Elas também são contempladas com a maior parte das bolsas em todas as categorias do CNPq, mas só alcançam ⅓ das chamadas bolsas de Produtividade em Pesquisa (PQ), as mais conceituadas entre as concedidas pela agência de fomento. Uma das causas ainda pouco debatidas relacionadas a essas assimetrias entre homens e mulheres é a ausência de legislação e políticas institucionais que levem em conta um recorrente acontecimento na vida das mulheres: a maternidade. O minidoc  “FATOR F”, realizado pela revista Gênero e Número, apresenta a visão de mães e pais sobre os obstáculos de se conciliar o cuidado dos filhos e a carreira científica e dá voz a estudiosos do tema para apontar possíveis caminhos em direção a um cenário mais equânime.

POTÊNCIA N

Diante de barreiras para acessar a academia, as mulheres negras não chegam a 3% do total de docentes no Brasil . Nesse contexto, pesquisadoras e professoras negras da Matemática lutam para permanecer e avançar na carreira, ao mesmo tempo em que levantam a voz contra a desigualdade racial e de gênero nas instituições de pesquisa. Com dados e relatos de acadêmicas de diferentes partes do país, além de vozes de pesquisadoras da África e América do Sul, “POTÊNCIA N” destaca a produção acadêmica dessas mulheres e traz a perspectiva delas sobre a falta de referências negras no meio acadêmico e a importância de políticas públicas inclusivas, como a de cotas raciais.

Notícias:

Minidocumentário expõe realidade de 20 matemáticas negras do Brasil

Debate

Organização: Paula Drummond de Castro (Labjor/Unicamp e BPBES) e Thomas Lewinsohn (Presidente da RABECO/ Unicamp)

Recursos alocados: R$6.898,24

Site: http://rabecoset2018.com.br/event/rabeco2018/site/content/pre-eventos

Por que comunicar os resultados de pesquisas científicas? Como comunicar com qualidade, credibilidade e senso crítico? Como construir novas interfaces entre cientistas e jornalistas envolvidos com a produção e comunicação da ecologia brasileira? Para debater essas questões que emergem nas interações entre ciência ecológica e mídia, a 2ª Rabeco – encontro sobre Ecologia – convidou experientes jornalistas da área ambiental e cientistas com prática em comunicar seus resultados de pesquisa para a sociedade, em um diálogo aberto com o público. O evento aconteceu em agosto, na Unicamp.

Notícias:

Evento na Unicamp reúne grandes nomes da Ecologia

Ciclo de Debates

Organização: Dantes Editora

Recursos alocados:  R$20.000,00

Site: http://jbrj.gov.br/node/1004/

Ciência e conhecimento tradicional foram o foco de um evento que aconteceu de 13 a 15 de novembro no Jardim Botânico do Rio de Janeiro, com palestras, música e oficinas. As rodas de conversa contaram com convidados do Brasil e do exterior, entre os quais o presidente do JBRJ, Sergio Besserman Vianna, e os pesquisadores Gustavo Martinelli e Alexandre Quinet, mediadas por Ailton Krenak, líder indígena, ambientalista, escritor e fundador do Núcleo de Cultura Indígena.