Doutoranda transforma “Eu Sou o Samba” e vence disputa de comunicação científica

Sergio Torres

Com desenvoltura, simpatia e talento, Caroline Alves Cayres tornou-se a campeã, na noite desta quarta-feira (17), do Euraxess Science Slam 2018, concurso de comunicação científica realizado anualmente pela Euraxess Brazil. A vitoriosa é doutoranda em Engenharia de Processos Químicos e Bioquímicos pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), instituição pela qual graduou-se em Engenharia de Alimentos.

Caroline encantou a plateia que lotou o terraço da Casa D’Itália, no prédio do consulado italiano no Rio de Janeiro. Ao discorrer sobre o valor nutritivo e o potencial gastronômico de alimentos pouco aproveitados no Brasil, como o sorgo e o bagaço da laranja, a entusiasmada concorrente conseguiu sorrisos e aplausos.

O destaque da apresentação foi a interpretação do clássico “Eu Sou o Samba”, do compositor Zé Kéti (1921-1999). Caroline adaptou a letra da canção a seus objetivos na disputa. O samba virou “Eu Sou o Sorgo”. Da mesma forma, ela alterou o verso mais famoso de “O Samba da Minha Terra”, de Dorival Caymmi (1914-2008).

A campeã Caroline Alves Cayres. Foto: Sergio Torres

“Quem não gosta de sorgo/bom sujeito não é”, cantou ela no ritmo malemolente do samba, um dos sucessos do cancioneiro do compositor baiano.

O concurso tem por objetivo fomentar a criatividade na comunicação científica. Cinco jurados e, também, os presentes ao evento votaram em seus preferidos. Como prêmio, Caroline terá uma viagem totalmente paga ao país da Europa que escolher, durante a primavera de 2019. Com direito a visitar uma instituição científica de seu interesse.

Na disputa, Caroline superou quatro concorrentes, que também apresentaram seus projetos de maneira criativa e original: Guilherme Telles, mestrando em Educação Física e Esporte na Universidade de São Paulo (USP); Isabela Ramos, pesquisadora no Laboratório de Estudos em Exercício Físico, Brincadeiras e Cognição da Universidade Católica de Brasília; Raimundo Soares Júnior, mestrando em Neurociências e Ciências do Comportamento da USP; e Sílvia Garcez, mestranda em Ciência, Inovação e Modelagem em Materiais na Universidade Estadual de Santa Cruz, na Bahia.