Quem somos

O Serrapilheira é uma instituição privada sem fins lucrativos. Tem o objetivo de financiar pesquisas de excelência com foco em produção de conhecimento e iniciativas de divulgação científica, não em aplicações tecnológicas.

Queremos contribuir para a construção de uma cultura de ciência no país.

O que fazemos?

Por meio de dotação de recursos, apoiamos projetos de pesquisa e divulgação científica. esses recursos são oriundos de um fundo patrimonial de r$ 350 milhões, constituído em 2016.

“Queremos identificar e apoiar os melhores jovens pesquisadores no Brasil, aqueles que estejam fazendo as grandes perguntas dos seus campos. Não deixaremos de apoiar projetos de pesquisa arriscados, nos quais o pesquisador audacioso nem sempre será bem sucedido.”

— Hugo Aguilaniu, Diretor-presidente

quais campos apoiamos?

  • Ciências Naturais (Ciências da Vida, Geociências, Física, Química)
  • Ciência da Computação
  • Matemática

Nossos objetivos

Incentivar a pesquisa de excelência no Brasil por meio de:

  • Chamadas públicas
  • Formação de jovens cientistas para a pesquisa científica de ponta
  • Incentivos de intercâmbios com outros países

Estimular o conhecimento científico no Brasil para:

  • Aumentar o interesse de jovens pela ciência
  • Contribuir para a construção de uma cultura de ciência no país

Promover transparência das ações do instituto e na relação com os pesquisadores apoiados

Incentivar a diversidade de raça e de gênero na ciência no Brasil

Estrutura

Nossa estrutura é formada pela Equipe Executiva, sob supervisão do Conselho Administrativo, ambos assessorados pelo Conselho Científico.

Conheça nossa equipe

De onde viemos?

Oficialmente lançado em março de 2017, o Serrapilheira começou a ser gestado em 2014. Ao longo dos três anos entre a criação e o anúncio público, nós nos dedicamos a conhecer modelos institucionais e visitar agências de fomento, fundações de apoio à ciência e organizações do terceiro setor, tanto no Brasil quanto no exterior. Também nos reunimos com pesquisadores brasileiros para entender como uma instituição privada poderia melhor atender à comunidade científica.