Daniel Grassechi

Química

Daniel Grassechi atua em uma área conhecida como química de superfície. Materiais como o grafeno são formados por uma única ou poucas camadas de átomos e são centrais no desenvolvimento da nanociência. Em seu projeto, Grassechi estuda formas de manipular as ligações atômicas e, assim, criar nanomateriais montando um átomo de cada vez. Esse é o front científico com mais chance de resultados aplicáveis na energia renovável, por exemplo. 

Grassechi se graduou em química pela Universidade de São Paulo, onde também fez o doutorado na área de nanotecnologia. Tem duas passagens de pós-doutorado, a primeira no Centro de Pesquisas Avançadas em Grafeno, Nanomateriais e Nanotecnologia (Mackgrafe), da Universidade Presbiteriana Mackenzie, e a segunda no Center of 2-Dimensional and Layered Materials da Pennsylvania State University, Estados Unidos. Em 2018, assumiu a vaga de professor adjunto no Instituto de Química da Universidade Federal do Rio de Janeiro, onde também coordena o Lab Supernano. Fora do mundo microscópico, ele confia na pedalada e corrida na praia para relaxar. 

Projetos

Desenvolvimento de um biossensor para predizer a síndrome de liberação de citocinas em pacientes oncológicos tratados por células CAR-T
Ciências da Vida, Química

O objetivo deste projeto é enfrentar a síndrome de liberação de citocinas (SLC) em pacientes tratados com células CAR-T, usada na imunoterapia contra o câncer. O projeto propõe o uso de biossensores baseados em nanomateriais, como grafeno ou nanopartículas metálicas, para detectar precocemente a presença de IL-6 e prever a ocorrência de SLC, permitindo tratamento antecipado das reações tóxicas. Esta abordagem visa reduzir eventos clínicos graves, tempo de internação e custos com drogas, beneficiando a saúde dos pacientes e diminuindo os gastos do SUS.

Recursos investidos

Grant 2022: R$ 31.915,00
Controlando reações químicas na superfície de nanomateriais bidimensionais
Ciência / Química

Nanomateriais bidimensionais, como o grafeno, são constituídos por uma ou poucas camadas atômicas e suas propriedades estão revolucionando a ciência. A química de superfície tem um papel central para as propriedades desses materiais e pode ser explorada para controlar a ligação de átomos individuais em sua superfície. Nesse projeto iremos controlar o tipo e a velocidade das reações que ocorrem na superfície de nanomateriais para assim direcionar a ligação de átomos individuais em locais específicos e movimentá-los como peças em um tabuleiro de xadrez. Essa é uma rota inovadora, direta e excepcionalmente eficaz para alterar as propriedades eletrônicas, magnéticas, térmicas e ópticas de nanomateriais. A compreensão dessa abordagem abrirá caminho para a manipulação em grande escala de átomos individuais e fornecerá uma rota promissora para projetar novos nanomateriais para dispositivos de alto desempenho.

Recursos investidos

Grant 2021: R$ 700.000,00

Instituições

  • Universidade Federal do Rio de Janeiro

Chamadas

Chamada 4
  • Temas
  • nanomateriais
  • química de superfície