Segunda Chamada Pública do Serrapilheira recebe 663 propostas

Clarice Cudischevitch

O Instituto Serrapilheira recebeu 663 inscrições na 2ª Chamada Pública de Apoio à Pesquisa. Serão selecionados até 24 jovens cientistas que proponham grandes perguntas fundamentais nas áreas de Ciências Naturais (Ciências da Vida, Geociência, Física e Química), Matemática e Ciência da Computação. Eles receberão até R$ 100 mil cada um, por um ano. Após este período, todos os projetos serão reavaliados e até três serão selecionados para receberem até R$ 1 milhão, por três anos.

As propostas submetidas são de 23 estados e do Distrito Federal. A maior parte é de São Paulo (21,1%), seguida pelo Rio de Janeiro (16,4%), Minas Gerais (13,3%) e Rio Grande do Sul (8,4%). Ao todo, mais da metade das inscrições (51%) veio do Sudeste, seguido pelo Sul (22%) e Nordeste (19%).

A média de idade dos candidatos é de 36 anos. Em relação à distribuição por gênero, 56,6% dos inscritos são homens, 42,6% são mulheres e 0,8% não quiseram informar ou marcaram a opção “Outros”.

Como na 1ª Chamada Pública realizada em 2017, a área de Ciências da Vida foi a que recebeu a maior parte das inscrições – 63%. Confira abaixo o gráfico com a distribuição de inscrições por área na 2ª Chamada:

A 2ª Chamada Pública apresentou algumas diferenças em relação à primeira. As pesquisas devem ser fundamentais e com foco na produção de conhecimento, sem exigência de aplicações tecnológicas, de modo que projetos exclusivamente utilitários não serão apoiados.

Além disso, a janela de tempo de conclusão do doutorado foi reduzida, com o objetivo de focar o apoio a cientistas que ainda não são seniores, mas também não são recém-doutores. Os candidatos deveriam ter recebido grau de doutor entre 1º de janeiro de 2011 e 31 de dezembro de 2016 – prazo que poderia ser estendido em até dois anos para mulheres com filhos. Na 1ª Chamada Pública, o requisito era que os candidatos tivessem obtido o título de doutor até 10 anos antes.

Na 1ª Chamada Pública, foram recebidas 1.955 propostas. “A redução do número de inscritos era esperada por conta dos requisitos novos”, explica a diretora de Pesquisa Científica, Cristina Caldas. “É importante que os cientistas entendam que o Serrapilheira não é uma agência de fomento tradicional. Buscamos projetos audaciosos, inovadores, que façam grandes perguntas, ainda que envolvam estratégias de risco, e não aqueles que pretendem apenas continuar a linha de pesquisa que já vem sendo desenvolvida.”

A diretora ressalta, ainda, que o instituto, fundado em 2017, está direcionando suas linhas de atuação, de modo que a 1ª Chamada Pública teve como um de seus objetivos fazer um mapeamento da pesquisa feita por jovens cientistas brasileiros.

O processo de seleção também vem sendo reformulado. Para a 2ª Chamada, estão sendo estruturados painéis internacionais de avaliação, que serão liderados por cientistas em atividade em instituições de excelência. Conheça os detalhes do processo de revisão aqui.

O resultado final será divulgado em abril de 2019.