Começa no Rio o Congresso Internacional de Matemáticos

Abertura teve a entrega da Medalha Fields; Serrapilheira promove palestras públicas em cinco dias de evento

Da esquerda para a direita, os vencedores da Medalha Fields 2018 Akshay Venkatesh, Peter Scholze, Alessio Figalli e Caucher Birkar. Foto: Pablo Costa/ ICM

Clarice Cudischevitch

O Rio de Janeiro sedia, a partir desta quarta-feira, 1º de agosto, o Congresso Internacional de Matemáticos (ICM, na sigla em inglês). Realizado a cada quatro anos, é a primeira vez que o evento acontece no Hemisfério Sul. Na abertura, foram entregues as prestigiadas Medalhas Fields, homenagem comparada informalmente ao Prêmio Nobel da Matemática.

Entregue pela primeira vez em 1936, a Medalha Fields é concedida a notáveis matemáticos, de até 40 anos, que tenham feito um trabalho de excelência. A entrega sempre acontece durante o ICM. Na última edição, em 2014, o brasileiro Artur Avila foi a primeira pessoa nascida e educada em um país em desenvolvimento a receber a láurea.

Os vencedores deste ano foram Akshay Venkatesh (Índia), Peter Scholze (Alemanha), Alessio Figalli (Itália) e Caucher Birkar (Irã).

Caucher Birkar, o primeiro a receber a medalha, é há 12 anos refugiado no Reino Unido e professor da Universidade de Cambridge. Nascido em 1978 perto da fronteira com o Iraque, cresceu convivendo com a guerra e passou por dificuldades econômicas, mas nunca deixou de estudar. Ele dedica-se a aspectos fundamentais de problemas-chave na matemática moderna. Ganhou a láurea pela prova da limitação das variedades Fano e pela contribuição ao Programa de Modelo Mínimo.

Alessio Figalli nasceu em 1984 em Nápoles. É professor da Escola Técnica Federal (ETH) de Zurique (Suíça). A disciplina o atraiu a partir da Olimpíada Internacional de Matemática. No doutorado, foi orientado por Cédric Villani, também vencedor da Medalha Fields. Figali recebeu o prêmio pelas contribuições à teoria do transporte ideal e suas aplicações em equações diferenciais parciais, geometria métrica e probabilidades.

Peter Scholze, de 30 anos, é professor titular da Universidade de Bonn desde os 24 e o segundo matemático mais jovem a ganhar a Medalha Fields – concluiu a graduação e o mestrado em cinco semestres. Aos 22, simplificou uma prova matemática complexa da teoria dos números de 288 páginas para 37. Ele foi contemplado por suas contribuições ao desenvolvimento de novas teorias cosmológicas e pelo trabalho de excelência desenvolvido na área de geometria aritmética algébrica.

Akshay Venkatesh nasceu em Nova Déli, capital indiana, em 1981, mas cresceu na Austrália. Com apenas 13 anos, iniciou a graduação em Matemática e Física na Universidade de Western e, aos 20, terminou o PhD na Universidade Princeton. Desde os 27, é professor da Universidade Stanford. Neste ano, passou a lecionar na Escola de Matemática do Institute for Advanced Study (IAS). Ganhou a Medalha Fields por sua síntese da teoria analítica dos números, dinâmica homogênea, topologia e teoria da representação.

O matemático Constantinos Daskalakis, de 37 anos, recebeu o Prêmio Rolf Nevanlinna 2018, destinado àqueles que tenham feito uma contribuição relevante sobre aspectos matemáticos das ciências da informação. Professor do Departamento de Engenharia e Ciência da Computação do Massachussetts Institute of Technology (MIT), o grego foi reconhecido pelo trabalho relacionando o raciocínio lógico e a incerteza adicionada pelo fator humano.

“Esta edição do ICM é superimportante por ser um reconhecimento de que o Brasil já é um país de excelência na matemática”, ressaltou Hugo Aguilaniu, presidente do Instituto Serrapilheira, que promove as palestras públicas do evento. “Espero que haja outros eventos dessa mesma natureza em outros campos do conhecimento.”

O diretor-geral do Instituto de Matemática Pura e Aplicada (IMPA) e presidente do ICM 2018, Marcelo Viana, comemorou o fato de, em janeiro, o Brasil ter ascendido ao Grupo 5 de países vinculados à União Matemática Internacional, que reúne as maiores potências da área. “Somos recém-chegados na ciência e tivemos um grande avanço ao longo de 60, 70 anos. Isso é motivo de orgulho.”

Viana acrescentou que o ICM é um pretexto para popularizar a matemática. “Um instrumento forte para isso são as palestras públicas, patrocinadas pelo Serrapilheira, e as visitas de escolas.” O diretor-geral comentou, ainda, que os medalhistas da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (Obmpep) receberão o prêmio no mesmo palco que os ganhadores da Medalha Fields. “É algo que eles nunca vão esquecer.”

O ministro da Educação, Rossieli Soares da Silva, anunciou que o governo brasileiro concederá a Ordem do Mérito Educativo a Artur Avila. Destacou que o feito é um reconhecimento aos jovens que também vêm trilhando o caminho da matemática: “Estamos na direção certa e um dia poderão ser vocês aqui.”

A cerimônia de abertura do ICM 2018 foi marcada por referências à cultura brasileira. Índios das etnias kuikuros e carajás se apresentaram acompanhados da cantora Mariene de Castro. Ao final, o palco recebeu o Maracatu do Mestre Salustiano, de Pernambuco, e o grupo carioca Dream Team do Passinho.

Compartilhe suas opiniões