De olho nos corais

O aumento de 2°C da temperatura dos oceanos em 2016 levou à morte de 80% dos corais de determinadas regiões do Oceano Pacífico. O propósito do estudo do pesquisador da UFRN Guilherme Longo, apoiado pelo Serrapilheira, é descobrir os efeitos desse fenômeno na costa do Brasil, sobre o qual ainda se sabe pouco.  Confira na matéria da UFRN. 

Fonte: Ascom – Reitoria/ UFRN

Em meio à imensidão de vidas marinhas, os corais formam um espetáculo de beleza e diversidade. A união desses organismos no mesmo espaço constitui os recifes, uma aquarela natural que atrai milhões de turistas ao redor do mundo. Os visitantes desconhecem, no entanto, que o contato com os elementos desse ambiente não acaba após o mergulho nos parrachos.

Na verdade, a contribuição dos corais para os seres humanos está mais próxima do que se imagina: substâncias regenerativas de alguns corais são aplicadas na produção de cremes estéticos, enquanto a exuberância de algumas espécies de peixes e ouriços é transferida para aquários ornamentais. As utilidades para os humanos, além da importância para a sobrevivência de espécies, são suficientes para uma constatação: devemos preservar os corais.

Contudo, a interferência humana provoca mudanças globais ameaçadoras para esse organismo, cujo desaparecimento é realidade em locais onde ocorre seu branqueamento. O fenômeno ocorre em situações de alta temperatura, excesso de luz ou poluição, nas quais os corais expulsam as algas residentes em seu interior, chamadas de zooxantelas, que fornecem a cor e o alimento do coral. Sem essa alga, ele perde a coloração e uma das principais fontes de comida, o que geralmente leva à morte.

Com o aumento de 2°C da temperatura dos oceanos em 2016, até 80% dos corais morreram em determinados lugares do Pacífico. Nas ilhas Samoa, região da Polinésia, o índice chegou a 90%. Pouco se sabe, no entanto, dos efeitos na costa do Brasil. Esse é o propósito do estudo coordenado pelo professor Guilherme Ortigara Longo, do Departamento de Oceanografia e Limnologia (DOL) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), que busca desvendar os impactos das mudanças globais sobre os recifes brasileiros.

Pesquisadores coletam amostras em Natal, nas ilhas oceânicas e outros pontos da costa brasileira, para monitorar a saúde dos corais e realizar simulações em laboratório. Foto: divulgação.

“Se o coral dá estrutura ao ambiente, os seres que o usavam como alimento ou abrigo também desaparecem”, ressalta o professor, ao explicar as consequências da perda de diversidade e complexidade, frisando o risco de extinção de espécies existentes apenas no Brasil. Entre os animais em perigo, estão a lagosta e o sirigado, apreciados como produtos de requinte na gastronomia. Da biodiversidade dos corais ainda são aproveitadas as esponjas, que têm alto potencial farmacológico, e as microalgas são utilizadas para produção do ágar-ágar, explorado pela indústria farmacêutica e alimentícia.

De acordo com Guilherme Longo, a população em geral não tem ideia da dimensão exata que o extermínio dos corais pode acarretar em seu cotidiano, talvez por acreditar que o mar está muito distante do dia a dia.

Equipe do Laboratório de Ecologia Marinha é formada por 12 pessoas, que incluem alunos da graduação ao pós-doutorado, com expectativa de receber no segundo semestre uma vaga destinada a estudantes do Ensino Médio. Foto: Cícero Oliveira.

#DeOlhoNosCorais

A pesquisa do professor Guilherme Longo é financiada pelo Instituto Serrapilheira, instituição voltada ao fomento científico do País. Com diversas frentes de atuação, tem a ciência cidadã como elemento fundamental para atingir o objetivo de abranger o monitoramento de toda a costa brasileira, por meio de uma rede de colaboradores e também com a participação da sociedade.

Uma das idéias é que as pessoas sejam convidadas a contribuir para a pesquisa durante o momento de lazer na praia, postando fotos nas redes sociais e utilizando a hashtag #DeOlhoNosCorais. Desse modo, a equipe do Laboratório de Ecologia Marinha (Lecom), vinculada ao DOL/UFRN, poderá obter informações sobre a saúde dos recifes em vários lugares, tendo a oportunidade de entender mudanças que acontecem em rápida escala.

Pesquisa recruta sociedade para fotografar os corais e postar nas redes sociais com a hashtag #DeOlhoNosCorais. Foto: Divulgação.

Perfis oficiais da campanha #DeOlhoNosCorais servem como espaço de divulgação científica sobre o que são os corais, quais os problemas envolvidos com eles, porque devemos nos envolver e como podemos nos tornar pesquisadores. Dessa forma, espera-se recrutar os milhões de visitantes que estão nas praias pelo Brasil. “O grande segredo é a colaboração. Não se faz mais ciência sozinho, esse é o grande mote que nos permite ter uma abordagem tão ampla”, afirma o coordenador da pesquisa. Além de avaliar o presente, o projeto engloba o resgate ao passado e a previsão de futuro dos corais, caso as mudanças globais como clima e poluição permaneçam no mesmo ritmo.

A ideia é montar um quebra-cabeça da história dos recifes brasileiros, a partir das referências registradas pelos antepassados em imagens antigas, documentos históricos, cartas náuticas, obras de arte e gravuras. Relatos de navegadores e entrevistas com pescadores, mergulhadores e pesquisadores, também ajudarão a traçar a realidade das décadas anteriores para entender o cenário atual. A previsão do futuro acontecerá por meio de simulações em laboratório e da compilação de dados, que serão utilizados em modelos matemáticos para identificar como será o comportamento dos peixes e as consequências para os corais.

No presente, o monitoramento da saúde soma-se à criação de modelos 3D em computador, tendo como base fotos tiradas dos corais. Essa utilidade permite a avaliação de todas as partes do organismo, para diagnosticar se está branqueando e como anda a temperatura na região onde ele se encontra, entre outras informações. A abordagem molecular, por sua vez, é realizada com amostras de coral e a identificação das espécies de algas associadas, a fim de saber se estas são mais ou menos resistentes às mudanças globais, principalmente ao aumento da temperatura.

A genética tem como foco o estudo da reprodução dos corais, que acontece de forma sexuada por meio de gametas liberados na coluna d’água. “Isso significa que um coral no parracho daqui pode ser filho de outro lá em Fernando de Noronha, e vice-versa”, explica Guilherme Longo. Como os organismos próximos à costa sofrem maior impacto da ação humana, os recifes de lugares como Fernando de Noronha e Atol das Rocas podem ser ameaçados caso seu povoamento dependa da reprodução no litoral. Por outro lado, se a costa for suprida por corais provenientes das ilhas oceânicas, há esperanças de perpetuação da espécie.

A pesquisa trilha o caminho da primeira fase de financiamento, com a possibilidade de conquistar novos recursos do Instituto Serrapilheira para a melhoria da estrutura em laboratório. “Não temos hoje um centro de referência onde se possa fazer experimentos manipulando vários componentes das mudanças globais, numa escala de ciência internacional. O que a gente quer é justamente consolidar um grupo de trabalho de mudanças climáticas em recifes brasileiros”, detalha o coordenador. A aquisição de novos equipamentos permitirá a finalização de todas as abordagens do projeto, que tem potencial para incluir o Brasil no mapa das mudanças globais nos recifes.