‘É importante fazer pesquisa sem pensar em aplicação’

A matemática Luciana Luna Lomonaco é uma das ganhadoras do Prêmio L’Oréal-Unesco-ABC Para Mulheres na Ciência

Fonte: IMPA

Luciana Luna Lomonaco sabe que “nuvens não são esferas, montanhas não são cones, litorais não são círculos, e a casca das árvores não é lisa, assim como o raio não viaja em linha reta”, como escreveu o matemático Benoît Mandelbrot (1924-2010) em sua obra seminal “The fractal geometry of nature”. Em 1975, o matemático francês de origem judaico-polonesa criou o termo fractal para definir uma nova classe de formas matemáticas cujos contornos irregulares poderiam imitar figuras encontradas na natureza.

Professora do Instituto de Matemática e Estatística (IME) da Universidade de São Paulo (USP), especialista em Sistemas Dinâmicos, Luciana Luna estuda um dos fractais mais conhecidos, não por acaso intitulado Conjunto de Mandelbrot, e suas cópias dentro e fora do objeto geométrico. Se dividirmos um fractal, cada parte é semelhante ao todo.

Atualmente, a geometria fractal é aplicada em áreas as mais diversas, como a Economia e a Medicina. Mas Luna, uma das sete ganhadoras do L’óreal-Unesco-ABC “Para Mulheres na Ciência” 2018 – criado para promover a igualdade de gênero no ambiente científico – está debruçada sobre questões, que, no momento, estão circunscritas ao mundo da Matemática Pura.

“É muito importante poder fazer pesquisa sem pensar em aplicação”, diz ela, chamando atenção para algo que considera ser temerário. “Financiam-se muito mais pesquisas que possuem aplicações imediatas. Este enquadramento me preocupa. Acho isso perigoso porque se você não é livre para pensar e fazer coisas que, talvez, sei lá, só daqui a 50 anos funcione, você pode estar deixando de desenvolver algo que mais adiante pode ser grandioso”, observa.

Nascida em Milão, na Itália, e criada na Europa, onde também fez boa parte de seus estudos – graduou-se (2007) na Univesità degli Studi di Padova, mestrado na Universidat de Barcelona (2009) e doutorado na Roskilde University (2012) – Luna avalia que essa distribuição desequilibrada da verba para pesquisa não é prerrogativa do Brasil.

Luna recorda, por exemplo, as consequências da concordata do Lehman Brothers, quarto maior banco de investimentos dos Estados Unidos, em 2008. “Em períodos de crise, a primeira coisa que se corta fortemente é a verba para pesquisa. Sobretudo para a Matemática. Com o argumento de que ela é inútil. Ainda mais a matemática pura. Em determinados casos, você pode não ver utilidade agora. Mas nunca se sabe o que pode acontecer.”

Diante disso, Luna enaltece ainda mais o Prêmio L’óreal-Unesco-ABC, por ter reconhecido a relevância de pesquisas em matemática pura. Assim como as demais ganhadoras, ela receberá uma bolsa-auxílio de R$ 50 mil para desenvolver projeto nos próximos 12 meses. “Fiquei muito surpresa e feliz ao receber a ligação (informando que estava entre as ganhadoras).”

Edição de 2018 bateu recorde de participação

Desenvolvido pela L’Oréal Brasil em parceria com a Unesco no Brasil e a Academia Brasileira de Ciências (ABC), o prêmio dá bolsa-auxílio em quatro categorias: Ciências da Vida, Química, Matemática e Física. A edição 2018 bateu recorde de participação: foram registradas 524 inscrições, 34% a mais que em 2017. Desde 2006, o prêmio já reconheceu o trabalho de mais de 80 pesquisadoras brasileiras.

Além de Luna, seis pesquisadoras foram reconhecidas nesta edição do “Para Mulheres na Ciência”: a médica Fernanda Cruz (UFRJ), a biomédica Sabrina Lisboa (USP), a bióloga Angélica Vieira (UFMG) a física Jaqueline Soares (UFPO), a bioquímicaEthel Wilhelm (UFPEL) e a química Nathalia Bezerra (UFPE).

Segundo Luna, a falta de diversidade em campos da ciência aumenta conforme a mulher cresce profissionalmente. “Quando comecei a subir na carreira, percebi claramente que a quantidade de mulheres diminui muito. E isso é mais ou menos em todo o mundo. Nos departamentos, nos eventos, nas conferências. Até hoje, apenas um mulher ganhou a Medalha Fields. Há um machismo latente. É difícil ficar lá. Você tem a sensação de ser avaliado o tempo todo. Mas você tem de acreditar em você mesma”, aconselha.

Luna, que veio ao Rio para participar do Congresso Internacional de Matemáticos (ICM ) 2018, elogiou a existência de um espaço infantil no local para os participantes deixarem os seus filhos durante as palestras.

“Além do intercâmbio com os matemáticos, achei muito importante o espaço infantil. Já vi em várias conferências mulheres com bebês de seis meses no colo”, conta a matemática, que receberá o prêmio em cerimônia na sede da L’Oréal, no Rio de Janeiro, no dia 4 de outubro.