Rodrigo Ramos

Ciências da Vida

Poucas pessoas podem dizer que quando crianças sonhavam com a cura do câncer. Rodrigo Ramos dizia exatamente isso aos pais, desde os sete anos de idade. Biólogo pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Rodrigo também é mestre em imunologia pela Universidade de São Paulo. Na USP também fez o doutorado em imunologia e tem uma segunda titulação de doutor pela Université de Lyon 1, França. Fez o pós-doutorado no Centro de Imunoterapia do Câncer no Instituto Curie, Paris, além de ter sido pesquisador do Centre de Recherche des Cordeliers/Sorbonne Université, França.

Depois do longo período na Europa, Rodrigo voltou ao Brasil e atualmente vive em São Paulo com a esposa e o filho, Thomas, de quatro anos. Seu projeto é uma inovadora investigação sobre o diagnóstico precoce do câncer. Para arejar a cabeça dos tratamentos de dados e artigos, Rodrigo frequentemente enterra os pés na areia da praia acompanhado de amigos ou procura um jogo do Santos para torcer. Apaixonado pela música brasileira, o biólogo ainda se arrisca no violão e percussão. 

Projetos

Desenvolvimento de um biossensor para predizer a síndrome de liberação de citocinas em pacientes oncológicos tratados por células CAR-T
Ciências da Vida, Química

O objetivo deste projeto é enfrentar a síndrome de liberação de citocinas (SLC) em pacientes tratados com células CAR-T, usada na imunoterapia contra o câncer. O projeto propõe o uso de biossensores baseados em nanomateriais, como grafeno ou nanopartículas metálicas, para detectar precocemente a presença de IL-6 e prever a ocorrência de SLC, permitindo tratamento antecipado das reações tóxicas. Esta abordagem visa reduzir eventos clínicos graves, tempo de internação e custos com drogas, beneficiando a saúde dos pacientes e diminuindo os gastos do SUS.

Recursos investidos

Grant 2022: R$ 31.915,00
Macrófagos FOLR2+ como imunotermômetros biológicos na fase inicial da carcinogênese em pacientes
Ciência / Ciências da Vida

Um dos maiores desafios na área da oncologia é a detecção dos tumores o mais precocemente possível. Quanto antes os cânceres são encontrados, antes os pacientes poderão ser tratados e, consequentemente, existe uma maior chance de sucesso e de sobrevida dos mesmos. Os eventos moleculares que ocorrem durante a transformação dos tecidos normais em tecidos tumorais acontecem muito lentamente, podendo se estender por anos/décadas antes de serem perceptíveis. Portanto, nossa ideia foi propor que um “termômetro biológico do tecido” seria capaz de perceber essas alterações desde sua fase mais precoce. Uma célula do sistema imune, chamada macrófago, apresenta características e funções distintas e parte destas está presente em praticamente todos os tecidos antes mesmo do nascimento – chamados de “residentes”. Desse modo, o projeto propõe investigar “como”, “quando” e “onde” esses macrófagos residentes podem perceber os eventos tumorais nos tecidos.

Recursos investidos

Grant 2022: R$ 700.000,00

Instituições

  • Instituto D’OR de Ensino e Pesquisa

Chamadas

Chamada 5
  • Temas
  • câncer
  • diagnóstico
  • imunologia