O quão reprodutível é a pesquisa biomédica brasileira? Faça suas apostas

Clarice Cudischevitch

Quer fazer parte do projeto que vai gerar o primeiro índice de reprodutibilidade em pesquisa do país? A Iniciativa Brasileira de Reprodutibilidade está com pré-inscrições abertas para voluntários que queiram participar das pesquisas de opinião e mercados de predição do levantamento. O objetivo é conferir se pesquisadores podem prever quais experimentos serão replicados com sucesso.

Lançada em 2018, a Iniciativa Brasileira de Reprodutibilidade é um projeto multicêntrico para a replicação sistemática de 60 a 100 experimentos publicados pela ciência biomédica brasileira nos últimos 20 anos. A rede conta com mais de 60 laboratórios colaboradores que, em um primeiro momento, reproduzirão experimentos em roedores e células utilizando três técnicas comuns da pesquisa biomédica: ensaios de MTT, RT-PCR e labirinto em cruz elevado. A replicação deve começar no início de 2020.

Antes disso, porém, a Iniciativa está recrutando pesquisadores para tentar prever a probabilidade de que os experimentos sejam reproduzíveis. Funciona assim: em um primeiro momento, os participantes receberão os resultados de 20 experimentos e, em um questionário, estimarão a chance de cada um deles ser replicado com sucesso. Na segunda etapa, eles farão suas apostas em um mercado de predição. Ali, negociarão “ações” relativas aos desfechos das replicações com créditos virtuais.

Esta fase de predições tem inspiração em outros projetos de replicação conduzidos internacionalmente em áreas como psicologia, economia experimental e ciências sociais, em que os mercados foram bastante efetivos em prever a reprodutibilidade. É a primeira vez, porém, que tal metodologia é aplicada à área biomédica. “Saber até que ponto pesquisadores são capazes de julgar se resultados publicados são reprodutíveis é fundamental para que possamos repensar nossos sistemas de revisão e avaliação por pares em ciência”, afirma o médico e professor da UFRJ Olavo Amaral, fundador da Iniciativa Brasileira de Reprodutibilidade.

Olavo Amaral, Kleber Neves, Clarissa Carneiro e Ana Paula Sampaio, que compõem a equipe da Iniciativa Brasileira de Reprodutibilidade. Crédito: Ricardo Borges/Folhapress

Os questionários devem ser abertos até o final de novembro, e os mercados de predição estão previstos para o início de dezembro. A participação no projeto é aberta a indivíduos acima de 18 anos com experiência em pesquisa experimental em âmbito acadêmico. Faça seu pré-cadastro neste link.

A Iniciativa Brasileira de Reprodutibilidade

Testar se um experimento utilizado em um estudo pode ser replicado por outros laboratórios é essencial para garantir a qualidade e confiabilidade da pesquisa científica, mas a área ainda apresenta uma lacuna no mundo todo. Levantamentos recentes em áreas específicas de pesquisa sugerem que boa parte dos experimentos publicados não são reprodutíveis, tornando essa uma questão urgente na ciência internacional.

Com a rede nacional da Iniciativa Brasileira de Reprodutibilidade, o projeto pretende medir, de forma inédita, o quão reprodutível é a pesquisa biomédica brasileira. Os resultados estão previstos para 2021. Saiba mais sobre a Iniciativa.