Juliana Camacho

Ciências da Vida

Juliana Camacho é farmacêutica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e doutora em química biológica pela mesma instituição. Além de ter cumprido estágio em pós-doutorado na UFRJ, também esteve na Mayo Clinic Rochester, Estados Unidos. Sua pesquisa é uma tentativa de ampliar as possibilidade de tratamento farmacológico da dor crônica. Fora do laboratório Juliana é fanática por dança. A pesquisadora toca maracatu em alguns blocos e é presença cativa em vários deles durante o carnaval.

Projetos

Investigação do CD38 como um novo alvo promissor para revelar moduladores seguros na dor neuropática
Ciência / Ciências da Vida

A dor crônica é um processo debilitante que atinge 38% da população mundial. Opioides são drogas viciantes para tratar a dor em diversas situações e seu uso pode levar a adicção e overdose, sendo responsáveis pela pior epidemia de dependência da história nos EUA. Recentemente, o Brasil teve aumento de 465% na prescrição dessas drogas. Existiria um processo diferente de intervenção na dor que levaria ao desenvolvimento de terapias que evitassem o uso de drogas altamente viciantes? O mecanismo da dor neuropática envolve o canal de cálcio TRPV1, regulado pelo metabolismo energético. A proteína CD38 é uma reguladora chave de processos de geração de energia celular e homeostase do cálcio com potencial papel nas ações dos opioides. Nosso objetivo é estabelecer uma nova estratégia, diferente da convencional, com foco na homeostase energética, tendo o CD38 como alvo potente para desenvolvimento de novos fármacos analgésicos.

Recursos investidos

R$ 100.000,00

Instituições

  • Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Temas
  • dor
  • drogas
  • opioides
  • vício