Marina Hirota

Ciências da Vida, Matemática

A matemática Marina Hirota é a definição de cientista multidisciplinar. Graduada pela Universidade Estadual de Campinas, ela fez o mestrado em engenharia elétrica na mesma instituição. Já no doutorado pelo CPTEC-INPE, Hirota aplicou o conhecimento na meteorologia. E depois de uma temporada na Holanda, pela Universidade de Wageningen, ela direcionou seu pós-doutorado para as pesquisas sobre a floresta. 

Marina Hirota desenvolve um estudo com representações algorítmicas da Amazônia. Seu objetivo é compreender por que certas porções da floresta são mais vulneráveis que outras. Seu trabalho agrega e prescinde de várias disciplinas diferentes, como a ecologia e antropologia. Apesar das dificuldades inerentes à proposta, Marina Hirota aprecia o desafio de harmonizar matematicamente ideias tão distintas. 

Projetos

VulnerAmazon: biodiversidade amazônica e resiliência às alterações no regime de chuvas

A projeção existente para as mudanças dos regimes de chuva para a bacia Amazônica incluem um aumento de eventos extremos de secas e de inundação, além de um aumento na duração da estação seca. Estas alterações já impactam as diferentes florestas existentes dentro da bacia, e podem afetar ainda mais severamente no futuro. Alternativamente ao que já foi feito até o momento, o projeto visa criar uma conexão entre a imensa biodiversidade da Amazônia e sua resiliência às potenciais alterações no regime de chuvas dentro da bacia. Neste contexto, o projeto busca quantificar a persistência e a capacidade de adaptação que diferentes tipos de florestas dentro da Amazônia têm à seca. A partir desta quantificação, a ideia é usar modelos matemáticos para generalizar as características vegetais medidas em escala local, para escalas da bacia Amazônica inteira, e assim avançar rumo à compreensão de como a Amazônia poderá responder às mudanças previstas.

Recursos investidos

R$ 1.000.000,00 (R$ 700.000,00 + R$ 300.000,00 de bônus opcional destinados à integração e formação de pessoas de grupos sub-representados na ciência)

Instituições

  • Universidade Federal de Santa Catarina
VulnerAmazon: Um novo olhar para a vulnerabilidade e a resiliência da floresta Amazônica
Ciência / Ciências da Vida

A floresta Amazônica tem uma das maiores coleções de plantas, animais e microrganismos do planeta. Esta biodiversidade fornece diversos serviços para a humanidade, tais como a estabilização da capacidade de estocar carbono, transportar chuva em escalas continentais e prover alimentos às comunidades locais. A habilidade da floresta Amazônica de preservar sua forma e identidade, tanto espacial quanto temporalmente, é o que se define como resiliência. Neste projeto de pesquisa, propõe-se explorar como diferenças espaciais em fatores naturais e antrópicos podem atuar em potenciais reconfigurações da floresta Amazônica, interrompendo processos ecológicos e minando a capacidade das florestas de funcionar. Dependendo de como cada um dos tipos florestais vai responder às ameaças, o colapso da Amazônia pode ser acelerado ou não. Por meio desse estudo, espera-se gerar informação que permitirá às sociedades futuramente manejar a resiliência sistêmica da Amazônia, com a manutenção de sua forma e identidade.

Recursos investidos

R$ 100.000,00

Instituições

  • Universidade Federal de Santa Catarina
  • Temas
  • amazônia
  • biodiversidade
  • floresta amazônica
  • modelos matemáticos
  • resiliência
  • vulnerabilidade
  • VulnerAmazon