Aborto e mortalidade

Divulgação científica / Jornalismo

Uma mulher morre a cada 2 dias por aborto inseguro no Brasil. Embora este seja um direito garantido por lei (em casos de estupro, anencefalia do feto e risco de vida à mãe), brasileiras não têm acesso rápido à informação, tampouco ao serviço propriamente dito. A reportagem, que será publicada na revista Gênero e Número e na Salud con Lupa (produzida no Peru, para América Latina), investiga como a ciência pode contribuir com uma abordagem técnica para o problema do aborto como saúde pública, fazendo avançar a discussão para além das questões políticas e morais que restringem a circulação das informações e a disponibilidade e equipamentos de serviço de aborto legal.

 

Recursos investidos

Grant 2022: R$ 50.000,00
  • Temas
  • aborto legal
  • saúde pública